Entrevista com a Paula: Outplacement e o Futuro do Trabalho

O mercado de trabalho está em Constante Processo de Mudança

O mercado de trabalho está em constante processo de mudança e cada vez mais possibilitando a reflexão de qual o papel e lugares mais adequados aos profissionais que o integram.

Obviamente que nesta constante reavaliação de critérios e reformulação do formato das empresas, eventuais desligamentos de funcionários se fazem necessários às readequações das novas políticas de gestão, ou até para que o próprio profissional possa ser mais bem aproveitado de acordo com o seu perfil em outras oportunidades.

Exatamente aí que entra a política de outplacement, sobre a qual eu respondi algumas perguntas com base em minha experiência no mercado para ajudar a esclarecer as principais dúvidas das pessoas sobre o assunto.


1. Como a política de outplacement pode impactar na imagem e no futuro da empresa?

R: Destaco dois aspectos relevantes:

1 – Quando a empresa paga um outplacement para um funcionário ela demonstra, tanto para quem está saindo, como para quem está ficando, que se importa, que honra os ciclos das pessoas e que é grata por isso. Com certeza, essa postura gera um employer branding, um marketing para a empresa em relação à empregabilidade, atração de talentos, ou seja, as pessoas almejarão trabalhar naquela empresa, por ser tida como uma empresa “humana” e que pensa em seus funcionários. Adotar a política de outplacement em sua gestão faz com que a empresa seja valorizada e que isso seja revertido em seu favor, sobretudo na hora de recrutar e selecionar os profissionais, afinal, hoje em dia, os profissionais bons escolhem em que empresa querem trabalhar. Assim, quando a empresa investe em employer branding, acaba atraindo bom funcionário pela sua boa reputação diante da força empregadora e das pessoas que estão no mercado de trabalho.

2 – Outro benefício que merece destaque é que a política do outplacement faz com que os líderes das áreas fiquem mais confortáveis em demitir funcionários que não tenham mais o perfil da organização e que já tenham encerrado seu ciclo na empresa, sabendo que estarão amparando e direcionando esses funcionários a novas oportunidades concretas. Isso porque existe líder muito “paternalista”, ou seja, que protege e tem dificuldade de demitir os funcionários por critérios pessoais/sentimentais/emocionais, mesmo que os profissionais já não estejam mais condizentes com o novo modelo da empresa. Desta forma, o outplacement dá tranquilidade aos líderes, por saberem que o colaborador desligado será bem tratado, amparado e encaminhado ao mercado de trabalho para ser melhor aproveitado.

2.     Ex-colaboradores, futuros parceiros. Os modelos de contratação estão mudando?

R: Sim, um ex-colaborador pode virar um futuro parceiro, prestador de serviço autônomo, ou até mesmo um freelancer de sua antiga empresa empregadora, e com certeza o outplacement personalizado e direcionado a este ex-colaborador pode viabilizar essas alternativas de colaboração entre ele e a antiga empresa.

Outra coisa que pode acontecer com um ex-colaborador é ser contratado por um cliente da antiga empresa empregadora, ou seja, num aspecto geral, digo que o desligamento personalizado traz inúmeras possibilidades de bons frutos tanto à empresa quanto ao colaborador.

3.    Qual a importância de se investir no bom relacionamento entre pessoas? Qual o impacto desse investimento para a empresa?

R: Um bom relacionamento gera bons networkings, boa reputação, oportunidades. Networking é um gerador de oportunidade, então, é o primeiro ponto.

Outro ponto é que os bons relacionamentos geram bom clima para a empresa e para os interessados envolvidos com o futuro do trabalho. As mudanças nas relações podem impactar diretamente no fato de que as pessoas voltem no futuro noutro formato, noutro modelo de negócios. Desta forma, se as empresas ajudam o ex-colaborador, que tem conhecimento no negócio, a sair de forma tranquila, futuramente ela poderá contar com o retorno desse colaborador noutro formato, que lhe seja benéfico.

4.     Quais os impactos do outplacement na vida do profissional desligado, bem como, para os funcionários que permanecem na empresa?

R: Todo profissional desligado, além de ser amparado profissionalmente, terá técnicas que o ajudarão a escolher o próximo passo a ser dado. Aqui, me refiro à segurança emocional, financeira, redução do tempo de recolocação no mercado, levantamento de alternativas de exercer as atividades profissionais, etc.

No mais, em relação aos colaboradores que ficam, estes permanecem bem na empresa pois, geralmente, os colegas que ficam, criaram laços com aqueles que foram desligados. Então, gera-se um clima mais ameno e uma tranquilidade de que tudo vai ser cuidado, como eventualmente acontecerá com eles também.

Use as dicas a seu favor e saia na frente!

Paula Dias

#outplacement #employerbranding #humanização #visibilidade #estratégia #mercadodetrabalho #consultoriaespecializada

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu